18/08/2011

0

Meus Poemas-27.



MEUS POEMAS-27.
0

ESQUECIMENTO.

Muitos estão de pé, mas esquecidos,
O tempo os encontra sós encostados,
E ali chorando triste aniquilados,
Vertendo as lágrimas dos vencidos.

Por serem no páramo enfadonho,
Vivendo à luz de sonhos enganosos,
Depois como aspectos lastimosos,
Correu como um rio, o seu sonho.

A luz de seus olhos é baça lutuosa,
Com amargo coração, sem luz do dia,
Faltando a Tocha gloriosa que alumia,
Querendo viver em cripta monstruosa.

Se voltares à luz gloriosa e triunfante,
A verdade que trás num só dia,
A cura, a liberdade e grande alegria,
Serás vaso de bênção gratificante.
Por: António Jesus Batalha.

REVEJO-ME.

Na cruz de Cristo me revejo,
Crucificado nela estou,
Pois meu ego ali ficou,
Cravado com meu desejo.

Tenho de Cristo luz imensa,

Vida abundante mais quero.
Longe de mim o desespero,
E a noite solitária e densa.

Na morte estou bem vivo,
Em Cristo O glorificado,
Sou para Deus servo marcado,
Não mais um servo cativo.
Por: António Jesus Batalha.

0

CONTAS.

É linda a nossa vida,
Se a soubermos viver,
Seja curta ou comprida,
Ou mesmo seja a sofrer.

É preciso sempre lembrar,
Que surpresas ela encerra,
Mas com Jesus a pelejar,
Vencedores somos na guerra.

É uma vida emprestada,
Por tempo determinado,
Conta terá de ser dada,
Plo que nos foi confiado.

Com Jesus tem mui valor,
A vida que nos foi dada,
Com fé suportando a dor,
Nesta vida emprestada.
Por:António Jesus Batalha.

CUIDADO.

Jardim cuidado e verde,
Para dar flores todo o ano,
Cada flor que arrancada,
Ou planta mal tratada,
Todo o jardim sofre dano.

Merece grande cuidado,
Carinho e muito amor,
As plantas que dentro estão,
Se viverem juntas em união,
Reflectem ao mundo seu valor.

O cuidado deste jardim,
De quem deve ser então?
É meu e teu somente,
Pois temos a boa semente,
E o amor no coração.
Por: António Jesus Batalha.

0

FOLHA.

Fui uma folha soprada,
Pela boca do vento,
Num riacho encalhada,
Na água em movimento.

Folha leve dobrada,
Pelas forças do mal,
Do riacho foi tirada,
Grande Amor divinal.

Folha que não lembrava,
Tão frágil sofrimento,
A vida que não buscava,
Ter um bom sentimento.
Por:António Jesus Batalha.



A Verdade Em Poesia, António Batalha, Bíblia Sagrada, Ciência, Desporto, Deus,Jesus Cristo,


Sem comentários:

Enviar um comentário


se gostou deixe a sua openião
Obrigado!!!