01/01/2012

6

Meus Poemas 31.



Meus Poemas-31.
Meus Poemas 31.

ME ATREVO.

Me atrevo a pensar em Ti.
O quanto Tu me amas,
Sem eu saber o porquê,
Me atrevo a pensar em Ti,
Na Tua paciência,
Na Tua graça infinda,
Me atrevo a pensar em Ti,
Na Tua paz gloriosa,
E na vida que me deste,
Me atrevo a pensar em Ti,
Na Tua luz gloriosa.
De Saron Tu És a Rosa,
A Rosa que brilha em mim.
Por: António Jesus Batalha.

ESTE MUNDO.

Quando contemplo este mundo,
Nem vontade tenho de rir,
Vejo-o doente moribundo,
Que vacila prestes a cair.

Meu coração num momento,
Os homens correm para o abismo,
Cegos, perdidos em sofrimento,
Preveem grande cataclismo.

Mas o Criador com amor ardente,
Vem clamando ás almas perdidas,
Chama para si toda a gente,
Quer dar vida, ás suas vidas.
Por: Antonio Jesus Batalha.

Meus Poemas 31.

GRANDE AMOR.

Para que fiques conhecendo,
O grande amor sem violência,
E que tira o fardo da indecência,
Como vidas alegres correndo.

Far-te-á como rio caudaloso,
Que segue com força, quebrando,
Ninfas que se vão levantando,
Num mundo duro e tenebroso.

Com teus pés firmes no rochedo,
Podem soprar ventos aos teus ouvidos,
Pois O Santo que ouve teus gemidos,
Vem socorrer-te e te livra do medo.
Por: Antonio Jesus Batalha.

A DOR.

A dor que estou sentindo,
E que meu coração desfalece,
É de ver o perdido fugindo,
Num mundo vil que perece.

Vive triste, de Deus ausente,
Num mundo só de lamentos,
Sede da Luz ele não sente,
Vive pró mundo de tormentos.

O pecado que escurece,
Tirando toda a formosura,
Como luz do sol desaparece,
Num coração de noite escura.

Palavra que brilha com frescura,
Fazendo o raiar dum novo dia,
Trás ao coração a formosura,
E um viver nobre de alegria.
Por: António Jesus Batalha.

Meus Poemas 31.

A NEBLINA.

Num palácio amarrado,
Com vista para o terraço,
Bebe lágrima derramada,
De saudades de um abraço.

A neblina na madrugada,
Vem encher-lhe o regaço,
Refrescar a alma cansada,
De sossego muito escasso.

Num jardim de rosas lilases,
Com perfume a alecrim,
Pensava nas veras saudades,
Do santo caminho sem fim.
Por: António Jesus Batalha.


A Verdade Em Poesia, António Batalha, Bíblia Sagrada, Ciência, Desporto, Deus,Jesus Cristo,


6 comentários:

  1. Paz para o meu, o teu, para o coração de todos nós.
    Desejo um 2012 de paz, prosperidade, felicidade, alegria, amor, saúde, sorte, sucesso e tudo mais de bom que há neste mundo!

    Meu carinho!
    http://pequenocaminho.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. A paz do SEnhor irmão Antônio.
    Parabéns pelos excelentes textos, gostei bastante do A DOR.
    Muita paz e sáude ao irmão e toda família, que 2012 a graça do Senhor Nosso Deus continue abundante sobre vida.
    Abrçs.
    Demétrius A. Silva
    http://ciencia-religiao.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  3. Olá Antonio! Já te enviei o selo por email
    tanto no corpo do texto como em arquivo anexo.
    Se não chegar me informe ok? Grande abraço!

    OBS: Não salvei seu endereço de email
    no comentário que você enviou ao meu blog,
    portanto seu endereço está seguro, não foi publicado. Abço

    ResponderEliminar
  4. Ola querido,

    Passando e deixando meus desejos de grandes realizações no Senhor.

    Abraços...

    ResponderEliminar
  5. Obrigado pelo seu comentário.
    Ja estou te seguindo.Siga-me tambem.
    Parabens pelo o seu lindo e util blog!
    Meu contato é:
    abnartes@bol.com.br
    Celular:(74) 9966-3839

    ResponderEliminar
  6. Amado irmão,

    Gostei muito de suas poesias, por meio da sensibilidade demonstrada.

    Que Deus o continue usando.

    Jordanny Silva
    jordannyblog.blogspot.com

    ResponderEliminar


se gostou deixe a sua openião
Obrigado!!!